Setúbal

Autarca de Setúbal saúda aprovação da ampliação do Hospital São Bernardo no OE2021

- publicidade -

O Orçamento de Estado para 2021 vai contemplar meios financeiros para as obras de ampliação do Hospital de São Bernardo, Setúbal, após a proposta apresentada pelo PCP, segundo informa a presidente da Câmara Municipal de Setúbal, Maria das Dores Meira.

Nas redes sociais, a autarca frisa que a aprovação fica a dever-se «apenas em resultado de propostas apresentadas pelo PCP, já que a versão original do documento, apresentada pelo Governo, não tinha inscritas estas verbas».

Maria das Dores Meira explica ainda que «mesmo que houvesse decisão do Conselho de Ministros de avançar com as obras, elas não poderiam, de forma alguma, avançar se as verbas necessárias não estivessem previstas no Orçamento de Estado» e que «embora pudesse haver o reconhecimento do Governo da necessidade da obra, a verdade é que, e precisamente porque não estavam previstas verbas em Orçamento, ela não avançou em 2020, ao contrário do que foi reiteradamente prometido e garantido».

A Câmara Municipal de Setúbal saúda «a aprovação desta proposta, assim como saúda a aprovação da proposta apresentada pelo Partido Ecologista Os Verdes pela qual se inclui no Orçamento as necessárias verbas para a construção de instalações próprias para a Escola Superior de Saúde do IPS – Instituto Politécnico de Setúbal».

Para a autarca «com estas iniciativas corrige-se grave lacuna existente na proposta inicial do Orçamento do Estado para 2021, na qual não se previa verba para a construção destes dois importantes projetos há muito exigidos pela população de Setúbal e pela comunidade escolar do IPS.

O executivo municipal vê assim reconhecidos os esforços e a pressão que tem vindo a desenvolver para garantir a concretização destes projetos que irão reforçar o acesso e a qualidade dos cuidados de saúde à população do concelho de Setúbal e da região.

Com a certeza de que vale a pena lutar pela construção de mais e melhor cidade, o executivo municipal apela à população e às comunidades hospitalar e educativa para que, com a CMS, se mantenham atentos e intervenientes para que as propostas agora aprovadas sejam efetivamente concretizadas.»

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui