Distrito Setúbal

Aumento de capacidade na Fertágus passa por menos lugares sentados

publicidade

A Fertagus, concessionária da travessia ferroviária na Ponte 25 de Abril, anunciou que vai reduzir o número de bancos para criar mais lugares em pé em todos os comboios, até ao final de janeiro.

«Tiram-se 116 bancos e cria-se um espaço total para 172 pessoas» explicou a presidente executiva da Fertagus, Cristina Dourado, referindo que este foi o modelo de teste implementado num dos 18 comboios da empresa, que circula desde agosto com esta alteração.

Esta modificação vai abranger os restantes 17 comboios, mas «não irá retirar tantos lugares sentados», ressalvou a administradora da Fertagus, em declarações à agência Lusa, apontando para menos cerca de 80 lugares sentados em cada comboio, um investimento que ronda os 200 mil euros”.

Falando à margem do acordo de reposição do equilíbrio financeiro do contrato de concessão da travessia ferroviária na Ponte 25 de Abril, assinado hoje entre o Estado português e a Fertagus, em Lisboa, a presidente executiva da Fertagus disse que a ideia é «criar zonas de clareiras, que permitem às pessoas circularem melhor e acomodarem-se melhor», assim como «aumentar a capacidade» de passageiros, uma vez que, neste momento, todos os lugares são sentados.

As alterações serão feitas nas duas carruagens intermédias e segundo a administradora «a alteração vai criar zonas mais amplas, para as pessoas poderem circular, entrar e sair, mais rapidamente do comboio, circularem melhor».

Relativamente aos horários dos comboios, após um ajustamento que teve lugar em setembro, a empresa pretende voltar a avaliar a situação em janeiro, no sentido de ver se «ainda é possível fazer algum reforço de alguma oferta» referiu Cristina Dourado, embora reconhecendo que tal «é muito difícil».

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui