Associação Lady Fatemah apoia famílias carenciadas com bens alimentares

A funcionar no Laranjeiro, a Associação Lady Fatemah, local de culto da comunidade paquistanesa nos concelhos de Almada e Seixal, está a ajudar com alimentos centenas de familias carenciadas.

Syed Mazhar Hussain responsável pelo local de culto
publicidadeGearbest Alfawise V8S Max UV Sterilization + Disinfectant Disinfection Wet and Dry Robot Vacuum Cleaner promotion
Tempo de Leitura: 2 minutos

Numa rua quase escondida no Laranjeiro, encontra-se a Associação Lady Fatemah, num espaço inaugurado a 12 de Outubro de 2019 pelo Agha Syed Murtaza Kashmiri, delegação da associação internacional paquistanesa que realiza diversas ações humanitárias em todo o mundo.

No mês do Ramadão, que se iniciou no dia 24 de Abril e irá terminar no dia 23 de Maio, a comunidade muçulmana procura ajudar todos os que tenham necessidades, habitualmente com a distribuição de comida.

Neste espaço no Laranjeiro têm sido distribuídos semanalmente sacos com alimentos básicos, “como óleo, farinha, açúcar, arroz, lentilhas, chá e carne de borrego, fornecidas por Syed Mazhar Hussain, que gere o ‘espaço sagrado’ e distribuídas pelos elementos do culto” explicou ao Diário do Distrito Samia, uma das mulheres paquistanesas que ajuda na distribuição dos bens.

“Preparamos estes sacos para as pessoas que não têm trabalho, nem dinheiro e que com o problema do covid-19, não têm forma de garantir a sua subsistência.

Desde 2019 temos ajudado a nossa comunidade, e agora com a pandemia, estamos desde Março a distribuir comida a quem não pode sair de casa, e alargámos essa ajuda a todos os que nos procurem. E os pedidos têm sido muitos.”

A entrevista decorreu na ‘Sala das Mulheres’ deste local de culto, onde estas escutam as orações que vão sendo lidas na sala principal.

“Este mês de Maio já foram distribuídos 350 sacos com comida e o mês passado distribuímos 600, para qualquer pessoa que nos procure, não apenas da nossa comunidade.”

A informação chega à comunidade através de flyers, “e alguns contactos que temos com associações ou até pelas redes sociais, para que as pessoas com graves carências nos possam contactar e vir depois levantar estes alimentos.”

Samia frisou ainda que “o nosso objectivo é ajudar as pessoas, e temos noção de que isto é quase uma gota de água mas essa gota pode fazer a diferença”.

Lady Fatemah é uma das figuras sagradas na religião muçulmana. Filha mais nova do Profeta Maomé, foi a única a ter descendentes, e é vista como um modelo pelas mulheres muçulmanas devido às suas virtudes morais e religiosas, sendo-lhe atribuído o título de al-Zahra, ‘a Resplandecente’.

Nota: Em consideração para com a comunidade paquistanesa que nos permitiu esta reportagem, o Diário do Distrito apresenta a mesma também em inglês.

 

Lady Fatemah Association supports families in need with food

The Lady Fatemah Association is located in an almost hidden street in Laranjeiro, Almada, in a space opened on October 12, 2019 by Agha Syed Murtaza Kashmiri, a delegation from the Pakistani international association that carries out various humanitarian actions around the world.

In the month of Ramadan, which started on April 24 and will end on May 23, the Muslim community seeks to help everyone in need, usually with the distribution of food.

In this space in Laranjeiro, bags of basic foods have been distributed weekly, “such as oil, flour, sugar, rice, lentils, tea and lamb, provided by Syed Mazhar Hussain, who manages this ‘sacred space’ and distributed among the elements of the cult” explained to Diário do Distrito Samia, one of the Pakistani women who helps in the division of assets.

“We prepare these bags for people who have no work or money and who, with the problem of covid-19, have no way of guaranteeing their livelihood.

Since 2019 we have been helping our community, and now with the pandemic, since March we have been distributing food to those who cannot leave home, and we have extended this help to all who come to us. And there have been many requests.”

The information reaches the community through flyers, “and some contacts we have with associations or even through social networks, so that people with serious needs can contact us and pick up these foods”.

Samia also stressed that “our aim is to help people, and we are aware that this is almost a drop of water but that drop can make a difference”.

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira o seu comentário
Nome