País

ANTRAM reúne com a FECTRANS e recusa negociar com o SIMMP

publicidade

A ANTRAM vai reunir no Ministério das Infraestruturas e da Habitação na próxima segunda-feira, dia 5 de agosto, «apenas e só com a FECTRANS, única entidade sindical que, lutando pelos direitos dos seus representados, tem atuado com normalidade», refere aquele organismo em comunicado.

A reunião tem por propósito «tratar vários temas de interesse comum para empresas e trabalhadores relacionados, sobretudo, com as cargas e descargas, com o objetivo de melhorar a forma e tempo das cargas e descargas, contribuindo para melhores condições de vida dos motoristas e melhor rentabilidade das empresas.»

A ANTRAM considera que «nem as empresas nem os trabalhadores querem ser forçados a cargas ou descargas (exceto quando, como no caso dos combustíveis, tal seja necessário por motivos imperiosos). Nem uns nem outros pretendem continuar a ser submetidos a tempos de espera desadequados nos locais de carga e descarga, o que, na maior parte dos locais, ocorre em más condições.»

O comunicado esclarece ainda que «ao contrário daquilo que tem vindo a ser divulgado, a ANTRAM não foi convocada para mais nenhuma reunião no Ministério, desconhecendo se o SNMMP e/ou o SIMM terão solicitado a mesma ou até se serão recebidos por aquele Ministério» e considera «curioso que o representante do SNMMP mostre, agora, vontade de negociar com a ANTRAM».

Apesar disso, a ANTRAM afirma que «de forma alguma aceitaremos reunir com o Senhor Pedro Pardal Henriques, alma e corpo do SNMMP. Recordamos que o Senhor Pedro Pardal Henriques tem mentido de forma abusiva, despudorada, sem qualquer respeito e de forma inconsciente, imputando à ANTRAM comportamentos que nunca ocorreram. Fá-lo, naquilo que a ANTRAM considera ser uma espiral de mentiras que apenas pretende “virar” trabalhadores contra empresas, procurando criar o caos no setor e no próprio país atentando, aliás, na opinião da ANTRAM, contra o próprio Estado de Direito. Tudo isto, se repete, fundado na mentira sobre a veracidade do processo negocial.»

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui