AtualidadeMobilidadeSeixal

Amora recebe ação da campanha ‘Ao volante, o telemóvel pode esperar’

- publicidade -

A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), a Guarda Nacional Republicana (GNR) e a Polícia de Segurança Pública (PSP) lançam amanhã, 25 de maio, a Campanha de Segurança Rodoviária ‘Ao volante, o telemóvel pode esperar’ inserida no Plano Nacional de Fiscalização de 2021.

A decorrer entre os dias 25 a 31 de maio, a campanha tem como objetivo alertar os condutores para as consequências negativas e mesmo fatais do uso indevido do telemóvel durante a condução.

Na última campanha sobre este tema, efetuada de 23 de fevereiro a 1 de março, as Forças de Segurança fiscalizaram 73.544 veículos tendo registado 1.164 infrações relativas ao manuseamento do telemóvel durante a condução, o que correspondeu a uma taxa de infração de 1,58%, numa média de 166 infrações por dia.

Com o intuito de reduzir este comportamento, as alterações ao Código da Estrada, em vigor desde 8 de janeiro deste ano, duplicaram os valores das coimas, tendo passado os seus limites para €250 a €1.250, com subtração de 3 pontos na carta em vez dos 2, anteriormente previstos.

A campanha ‘Ao volante, o telemóvel pode esperar’ integrará: ações de sensibilização da ANSR; operações de fiscalização, pela GNR e pela PSP, com especial incidência para vias e acessos com elevado fluxo rodoviário, de forma a contribuir para a diminuição do risco de ocorrência de acidentes e para a adoção de comportamentos mais seguros por parte dos condutores no que tange à utilização de aparelhos eletrónicos.

As ações de sensibilização ocorrerão em simultâneo com operações de fiscalização em várias localidades, e no distrito de Setúbal, terá lugar no dia 31 de maio, segunda-feira, às 10h00 na Avenida 1.º de Maio – Rotunda das Paivas – Amora.


Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui