Afinal a Liberdade não é de Todos!

Esta semana, um artigo de opinião de João Casaca, presidente da Comissão Politica Concelhia do CDS-PP Sesimbra

0
300
Tempo de Leitura: 2 minutos

Esta semana, um artigo de opinião de João Casaca, presidente da Comissão Politica Concelhia do CDS-PP Sesimbra

No passado dia de 25 de Abril em sessão solene da Assembleia Municipal de Setúbal a Sra. Presidente da Câmara Municipal de Setúbal no seu libertário discurso, quebrou o politicamente correcto de muitos dos discursos abrilentos da CDU destes dias dizendo verdadeiramente aquilo que o PCP pensa sobre este dia e entre expressões como “alegria” e “amnésia propositada” afirmou que o 25 de Abril “não é de todos”.

Não é novidade para aqueles como eu que vivem diariamente com comunistas, a posse arrogante e altiva que os mesmos afirmam ter sobre a revolução em conversa de café, agora a novidade está em terem um seu alto dirigente a fazê-lo publicamente e de forma tão audível e contundente.

O discurso continuou invocando e frisando uma clara separação entre aqueles “que o fizeram e defendem”, “contra as tentativas de retrocesso” e “de branqueamento” do regime fascista e os “outros”. Uma clara distinção que a Sra. Presidente quis fazer para “desmistificar unanimidades que nunca existiram e que apenas são invocadas por ocasião da data”.

Não irei refutar as afirmações da Sra. Presidente contrapondo com as já conhecidas aventuras dos autoproclamados “donos de Abril” e para onde queriam levar Portugal no meio de tantas ocupações, prisões, deportações, explosões e outros ões! No entanto é nos dias de hoje e curiosamente no poder local, que a Sra. Presidente caracterizou, e bem, como “uma das grandes obras de Abril” e onde se exerce a “melhor democracia” que vemos todos os dias no Distrito de Setúbal comandado pelos “donos de Abril”, CDU e PS, a Democracia a ser mais violada e desrespeitada.

Assistimos repetidamente a Executivos Locais que transformam maiorias absolutas em poder absoluto; as assembleias municipais em meros rectificativos das vontades e ditames dos Presidentes de Câmara; as governações por decretos ditatoriais com orçamentos constantemente reprovados; a violação de correspondência privada e do direito de oposição; à manipulação constante dos prazos e regulamentos; à transformação dos meios de comunicação das autarquias em máquinas de propaganda dos partidos que estão no poder; ao favorecimento de familiares e amigos que levam o nepotismo e o clientelismo a níveis que nem os Borgia conseguiram igualar. Isto para apenas referenciar algumas das situações mais gritantes que pautam diariamente a nossa comunicação regional num claro desrespeito grave pela boa convivência democrática.

Em Sesimbra, onde lido diariamente com os tais comunistas abrilentos, olho para um PCP órfão que fecha os órgãos locais sobre si próprios com receio de os perder, onde os Conselhos Municipais de Acção Social, Saúde e Educação não reúnem e o de Juventude nem existe pois segundo os “jovens adultos comunistas” não seria representativo da população jovem do Concelho. E temos um Presidente de Câmara desesperado para criar algum legado e obra que o permite salvar a honra do Convento e ultrapassar com algum sucesso as provações de 2021.

Urge fazer cumprir o Poder Local Democrático! Fazer com que estes valores de boa convivência democrática se traduzam verdadeiramente na construção de alternativas e de pontes que melhorem a qualidade de vida das populações e do exercício do poder autárquico e não de uma realidade paralela praticada pelos “donos de Abril” que desrespeita diariamente o valor maior da Liberdade!

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira o seu comentário
Nome