Opinião

A Queda de um “Anjo” em Fernão Ferro

- publicidade -

Olá caríssimos(as) leitores(as) há já algum tempo que não fazia um artigo de opinião sobre a política local do concelho onde resido.

Desta vez decidi vir falar-vos de Fernão Ferro. E para tal decidi deslocar-me pessoalmente à Assembleia de Freguesia de Fernão Ferro, porque como se trata de uma freguesia da qual eu tenho interesse pessoal o artigo deveria ter um valor testemunhal em vez de conversas por interposta pessoa.

Aquilo que vou aqui relatar não me surpreendeu pessoalmente muito embora seja chocante para muitos que vão ler estas linhas. Para mim foi apenas mais do mesmo. Desta vez para título deste artigo resolvi inspirar-me no escritor Camilo de Castelo Branco e no seu romance satírico e político “A QUEDA DE UM ANJO”

Mas vamos lá aos factos.

Desloquei-me à referida assembleia realizada a 19-12-2019 (quinta-feira) com o objectivo de falar-vos sobre um dos processos que têm oposto o actual presidente da junta de freguesia Carlos Reis (Movimento Juntos Por Fernão Ferro) e o anterior Carlos Pereira (CDU).

Acabei por ter mais assuntos para tratar, dai que o assunto do processo crime ficou explanado no artigo exclusivo do Diário do Distrito, e sobre o qual farei apenas uma breve abordagem.

Quando lá cheguei já a reunião tinha começado. Mas ainda bem se calhar alguns já não contavam com a minha presença o que é óptimo, porque assim pude emergir de surpresa. Sentei-me nas últimas filas e puxei da caneta e do bloco de notas.

Como tal vou dividir o artigo por pontos:

ROTUNDA DA PAVIL: O presidente da Junta acerca desse assunto declarou que está a tratar do mesmo juntamente com a CM do Seixal para se criar um grupo de trabalho com a CM de Sesimbra pois a construção da mesma envolve também Sesimbra.

Ora das duas uma. Alguém está mal informado ou a faltar à verdade. E isto porque nas várias vezes que estive na Assembleia Municipal do Seixal e na minha reunião com a senhora vereadora Maria João Macau que tem os pelouros do urbanismo, educação e recursos humanos, esta não levantou qualquer problema e até me informou que a obra camarária de alteração do ramal de água e caixa de válvulas de distribuição já se encontrava  terminado por forma a que o INTERMARCHÊ pudesse começar as obras  entre o mês de Novembro / Dezembro.

Uma vez que a obra não começou na data prevista vou ter que solicitar nova reunião para saber o motivo. Conclusão: há discrepâncias entre aquilo que o presidente da Junta de Freguesia disse na Assembleia de Freguesia e o que a CMS me informou por escrito e de viva voz na reunião que tive e que posso publicamente falar-vos, pois não está sujeita a segredo profissional nem de estado.

E sobre este tema eu NUNCA assisti em nenhuma Assembleia Municipal a uma tomada de posição do actual presidente da junta de freguesia sobre o tema. E agora que as eleições se aproximam quer cavalgar a onda de mais uma obra na freguesia. Lamentavelmente esta prancha é minha e do grupo de Fernão Ferro que me ajudou a fazer a divulgação da petição pública. Portanto é melhor nadar até à praia. Os louros desta iniciativa não são seus. E não é agora que as coisas estão quase prontas que vai aparecer feito “emplastro” na fotografia para usar na campanha de 2021.

O PROCESSO CRIME: Aqui a montanha pariu um rato. Das 9 acusações presentes no mesmo, o MP (Ministério Público) julgou-as todas improcedentes e que não haveria matéria de facto para avançar com o processo em tribunal. Algo que a Maria do Carmo Torres explanou no seu artigo de reportagem. Para quem não leu o mesmo fica aqui o link: https://diariodistrito.pt/arquivadas-queixas-contra-anterior-gestao-da-junta-de-freguesia-de-fernao-ferro/

- publicidade -

Na verdade, o MP não considerou crime os factos. Mas não podemos deixar de considerar que os factos relativos às deslocações do anterior executivo da Junta de Freguesia se pautaram por uma certa ligeireza de actuação roçando a imoralidade, uma vez que estava em causa o dinheiro dos contribuintes e quando havia outras alternativas mais económicas que o actual presidente da Junta referiu na reunião, como um mini-bus que não foi utilizado e um lanche numa marisqueira no Algarve no congresso da ANAFRE (Associação Nacional de Freguesias).

Na discussão, e até aqui, o actual presidente da junta estava a dominar os acontecimentos, pôde fazer a defesa da honra e os argumentos trocados apesar de não serem os mais cordatos estavam dentro do normal debate político. Apenas de referir que achava que o MP teria tratado o caso com demasiada ligeireza, algo que só posso discordar porque se um processo entra no MP em 2017 e tem despacho de arquivamento em 2019 algum trabalho deve ter sido desenvolvido.

O PARQUE DAS LAGOAS: Interveio neste assunto a sra. Maria Helena Rego a mesma já tinha feito uma intervenção sobre o mesmo na anterior AF realizada a 26 de Setembro de 2019 conforme estes documentos dos quais deixo o link 1 e o link 2.

Ora desta vez a senhora voltou com o mesmo assunto. Isto porque apesar de ter marcado reunião com o presidente da Junta por 3 vezes o mesmo não terá comparecido.

O presidente da Junta desmentiu-a de forma brusca. Ao que ela lhe retorquiu que era tão verdade o que afirmava que tinha deixado uma reclamação por escrito no livro de reclamações da JF de FF.

Perante esta atitude, um um freguês, Flávio Manassés Antunes, levantou-se e gritou: «Tu és um palhaço! É assim que tratas os fregueses??? Ainda por cima a senhora votou em ti!!!», após o que saiu para se acalmar, uma vez que sentiu que tinha perdido a calma.

Este freguês é uma das pessoas que com o seu trabalho no Facebook ajudou a eleger Carlos Reis presidente desta JF à frente do movimento SOMOS FERNÃO FERRO.

É o administrador do grupo FERNÃO FERRO e era até há bem pouco tempo também administrador da página FREGUESIA DE FERNÃO FERRO. (falarei desta página mais à frente).

Depois desta cena teve de intervir o presidente da Assembleia de Freguesia, Luís Alcoforado, para acalmar os ânimos, admoestando-o e referindo que “nós, eleitos para cargos públicos, temos que ter o estômago de saber lidar com as críticas que nos são dirigidas. Posto isto o Presidente da Junta levantou-se abandonando a sala sem qualquer justificação à mesa. Algo notado pelo presidente da AF.

A COMPOSIÇÃO DA MESA DA AF: Sobre este assunto interveio José Craveiro, que voltou a levantar o caso da legalidade da mesa da Assembleia de Freguesia, assunto que chegou a levar ao MP embora o mesmo não o tenha considerado procedente. Sobre isto o presidente da Junta questionou se o freguês estaria, de alguma forma, a duvidar da justiça.

E aqui a opinião do presidente sobre a justiça é 180º divergente da apresentada momentos antes. Ou seja, os critérios que ele aplica são os que melhor o servirem independentemente da coerência. Se antes o MP tinha actuado de forma ‘demasiado ligeira’, no caso da queixa de José Craveiro, actuara de forma correcta, não tendo o freguês de duvidar ‘da justiça’.

A conversa continuou mais ou menos no mesmo tom com comentários e apartes da parte do presidente da Junta e com o presidente da Assembleia a ter que continuar a chama-lo à razão.

Do resto da reunião, fica também registada a seguinte frase proferida pelo presidente da Junta: “Tenho muito orgulho em ter a escola comunista”.

Se eu fosse eleito; militante ou até mero votante da CDU, depois de tudo o que ouvi nesta Assembleia de Freguesia, acho que me iria atirar para o chão a rir.

Porque esta frase ganharia o prémio especial do 1º de Abril.

Se compararmos este presidente com a postura de, por exemplo, o presidente da Junta de Freguesia de Corroios, veremos diferenças óbvias. A começar pelo respeito pelos que possam ter opiniões diferentes dele. Ambos passaram pela escola da CDU. Mas alguém fez gazeta a muitas aulas. Alguém foi cábula na escola da CDU. Adivinhem lá quem!!!

NOTAS FINAIS:

Hoje ao escrever este artigo pedi autorização prévia para revelar este assunto. Quem conhece o Flávio Manassés Antunes sabe que o mesmo foi um daqueles que de forma voluntária esteve na campanha eleitoral de 2017 no movimento SOMOS FERNÃO FERRO; participou nas primeiras marchas populares de Fernão Ferro e entre outras coisas criou a página no Facebook “FREGUESIA DE FERNÃO FERRO”.

Se forem à procura da mesma ela já não existe. Isto porque quem cai em desgraça por algum motivo junto do presidente da Junta de Freguesia sujeita-se de alguma forma a retaliações.

Uns são processados em tribunal; outros são humilhados com comentários pouco abonatórios nas AF; a grande maioria foi bloqueada no Facebook por se atrever a criticar a sua postura como presidente da Junta de Freguesia. Aliás se fossemos ver o número de pessoas bloqueadas, rapidamente poderíamos formar um grupo no Facebook com perto de 1000 membros.

Mas em relação à página ‘Freguesia de Fernão Ferro’, a mesma foi encerrada porque o presidente da Junta, em mais um dos seu actos de retaliação, enviou um oficio ao criador da pagina que eu vou transcrever IPSIS VERBIS e se alguém duvidar tenho na minha posse cópia e o e-mail.

“OFICIO Nº 926/20/LA

29 de Agosto de 2019

Assunto: Pedido

Serve o presente para informar que “Freguesia de Fernão Ferro” é uma pessoa coletiva com o nº 506858308, sendo que o uso deste nome ocorre um ato ilícito, pelo que solicitamos alteração do nome em todas as paginas da rede social Facebook e Instagram que V.Exª é administrador, por confundir a população com o conteúdo do órgão público Junta de Freguesia de Fernão Ferro.

Com os melhores cumprimentos.

O presidente da Junta de Freguesia

Carlos Manuel Silvestre dos Reis.”

Ora é assim que os que deixarem de ser úteis são tratados. Mais, se alguém até tem o meu número de telemóvel e me considera pelo facto de lhe ter sido útil, o gesto mais próprio seria ligar-me e pedir a alteração do nome da página, não me enviaria um ofício usando os meios oficiais da JF de FF.

Mas por outro lado isto é passar um atestado de menoridade aos fregueses e eleitores até porque o órgão da Junta de Freguesia de Fernão Ferro tem uma página própria no Facebook, até com o brasão da Junta, e dificilmente um cidadão confunde uma com a outra. Basta ver este LINK.

Para além do mais, se fosse esta a correcta explicação para tal oficio, então todas as paginas e grupos de Facebook teriam que mudar de nome e dou como exemplos estas: Seixal um concelho de muitas vozes; Fernão Ferro uma Freguesia melhor; Corroios uma freguesia melhor; Freguesia de Loures ETC.

Nada no dicionário fala que a palavra freguesia é a Junta de Freguesia.

FREGUESIA: substantivo feminino

  1. Subdivisão administrativa do concelho.
  2. Território que abrange a freguesia.
  3. Habitantes da freguesia.
  4. Conjunto dos fregueses de um estabelecimento ou de um pároco.
  5. Concorrência (a um estabelecimento).
  6. Igreja paroquial.

Estamos perante um presidente que não se importa de usar os meios públicos para fazer valer o seu ego e vontade. Não tolera ser contrariado.  Muda de “partido” como quem muda de camisa. Tem uma noção distorcida do que é democracia. É bem-falante e politicamente capaz de convencer os mais distraídos com promessas que depois passam a reivindicações junto da Câmara Municipal para se poder desculpar com a ausência de trabalho realizado.

Os fregueses de Fernão Ferro são mais instruídos e atentos que isso. Isto não passa de mais uma birra do senhor presidente de uma forma de tentar humilhar aqueles que se afastaram dele.

Em 2021 peguem no manifesto político que o levou a ser eleito e perguntem-se a vocês mesmos onde está a obra feita. As pessoas de Fernão Ferro não mais vão poder invocar que foram iludidas no seu sentido de voto. Dois mandatos, um com a CDU e outro como INDEPENDENTE deram para avaliar a obra.

A partir de agora lavo as minhas mãos.

TUDO POR FERNÃO FERRO, NADA CONTRA FERNÃO FERRO

NOTA: Artigo escrito segundo a antiga grafia anterior ao acordo ortográfico.

 

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui